Seis milhões de brasileiros há 5 meses sem o seu principal meio de comunicação

RNA_DOC_001 001

A Rádio Nacional da Amazônia completa 40 anos nesta sexta-feira (1º/09). Seria motivo de festa, não fosse um detalhe fundamental. A emissora está fora do ar desde 20 de março passado. Pelo menos 6 milhões de ribeirinhos dos estados da Região Norte, além de fiéis ouvintes de outras regiões, principalmente do Nordeste e Centro-Oeste, estão ao desamparo no seu direito ao livre acesso à informação. São 6 milhões de brasileiros que estão há cinco meses sem o seu principal meio de comunicação. E a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), responsável pela rádio, não mostrou até agora o empenho necessário para resolver o problema.

Naquela noite de temporal, um raio atingiu em cheio a subestação que alimentava os dois transmissores de ondas curtas que até então operavam cada um com 180 kW, em 49 e 25 metros, Os transmissores ficam a 50 quilômetros de Brasília. Um cone de luz verde intensa subiu a cerca de 20 quilômetros de altura e pode ser visto durante dois segundos, por exemplo, na Asa Norte, na região central de Brasília. E a rádio se calou. A Agência Brasil, da EBC, laconicamente, registrou o ocorrido quatro dias depois. Nenhuma outra manifestação foi obtida da empresa.

Uma das primeiras reações do público ouvinte foi recebida pela EBC na forma de um abaixo-assinado, enviado à direção da emissora por 15 caciques de aldeias da Amazônia. No documento, é manifestado o repúdio dos indígenas à desativação da emissora. Na Amazônia, a população que mora à beira dos rios não tem fácil acesso à internet para, como se faz nas cidades, ouvir rádio em um celular, por exemplo.

Outras queixas vieram no ar, na própria emissora, em programas que contam com a participação dos ouvintes. Alguns chegaram a se oferecer para colaborar no pagamento do conserto, avaliado extraoficialmente em R$ 1 milhão. A Rádio Nacional da Amazônia mantém sua programação via streaming na internet. Ela também pode ser sintonizada por parabólicas. Mas a maioria dos ouvintes dispõe apenas dos tradicionais rádios de pilha. Tristeza e frustração é também o sentimento que toma conta dos funcionários.

História – Antes da criação da Rádio Nacional da Amazônia propriamente dita, em 1º de setembro de 1977, desde Médici, em 1973, o governo militar brasileiro mostrava sua preocupação com transmissões “alienígenas” (veja trecho de documento abaixo) vindas de países comunistas. A resposta seria a instalação do Sistema de Radiodifusão em Alta Potência, precursor do que hoje é a Rádio Nacional da Amazônia.

Publicado por Lucio Haeser

Interested in field recordings, electroacustic music and audio documentaries.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: