Ribeirinhos e indígenas repudiam desativação da Rádio Nacional da Amazônia

CARTA_RNAPara quem mora na cidade, é difícil imaginar viver sem ser bombardeado por novas informações a cada segundo. No entanto, em uma vasta região do país, a Amazônia, há populações que vivem isoladas, sem telefone e internet. São os povos ribeirinhos e aldeias indígenas que, somados, alcançam uma respeitável população de seis milhões de habitantes.

 Até pouco tempo, o principal veículo de comunicação que abastecia esses brasileiros com informações  era a Rádio Nacional da Amazônia, que transmite em ondas curtas direto de Brasília, onde uma equipe de jornalistas, radialistas e técnicos fornece informações voltadas especificamente àquele público. A rádio pertence à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), organização pública que em 2008 sucedeu a antiga estatal Radiobrás.

A Rádio Nacional da Amazônia já vem sofrendo há muitos anos problemas de manutenção, principalmente nos transmissores de ondas curtas nas frequências de 6180 e 11780 kHz, em 49 e 25 metros, respectivamente. A plena capacidade, de 250 kW em cada canal, já estava reduzida para 180 kW há muito tempo. Muitas vezes, um canal saía do ar, mas pelo menos o outro seguia em funcionamento.

No entanto, a situação nunca foi tão grave como agora. Em 20 de março deste ano, há mais de cinco meses, portanto, raios atingiram a subestação que abastece de energia elétrica o Parque do Rodeador, a 50 quilômetros do centro de Brasília, onde estão as antenas voltadas à Região Norte do país. Até agora, nenhuma providência prática foi tomada para reparar os danos. A transmissão foi mantida apenas na internet e via satélite, para quem possui antena parabólica. Mas o povo do interior da Amazônia se liga mesmo na rádio é por meio do velho rádio de pilhas. 

Os ouvintes, sentindo-se abandonados, começaram a reclamar nos programas em que há a participação ao vivo por telefone. Em maio, uma manifestação de repúdio à desativação da emissora foi enviada por 15 lideranças de ribeirinhos e indígenas à direção da EBC, com cópias à Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República e à equipe da rádio. (Veja a reprodução acima.) No entanto, a direção da EBC permanece muda sobre o assunto.

Confira a lista de entidades cujas lideranças assinaram a carta à EBC
  • Associação de Moradores da Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio
  • Associação de Moradores da Reserva Extrativista Rio Iriri
  • Conselho Ribeirinho de Belo Monte – Altamira
  • Associação Indígena Pyjahyry Xipaya
  • Associação Indígena Tukaya Etnia Xypaya
  • Associação Sementes da Floresta
  • Povo Arara da Cachoeira Seca
  • Povo Xikrin do Bacajá
  • Povo Kuruaya
  • Parakanã da Terra Indígena Apyterewa
  • Associação Remanescente de Quilombolas de Oriximiná
  • Associação para o Desenvolvimento da Agricultura Familiar do Alto Xingu
  • Cooperativa Alternativa Mista dos Pequenos Produtores do Alto Xingu
  • Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola
  • Instituto Kabu (Povo Kayapó Mekrangnoti)
  • Associação Floresta Protegida (Povo Kayapó Terra Indígena Kayapó)

Publicado por Lucio Haeser

Interested in field recordings, electroacustic music and audio documentaries.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: