Rádio brasileiro dá importante passo rumo ao digital na próxima segunda-feira

Transmissor de 2,5 kW em ondas curtas no sistema DRM chega ao Parque do Rodeador, em Brasília

Permitida a reprodução desde que citado o link http://www.radiolab.blog.br no início da matéria replicada.

A radiodifusão brasileira começa a entrar em uma nova era a partir da próxima segunda-feira (21/09/2020). Um transmissor de rádio digital desenvolvido e fabricado em Porto Alegre pela BT Transmitters chega ao Parque do Rodeador, em Brasília, para ser conectado a uma das enormes antenas da Rádio Nacional da Amazônia (veja foto). O equipamento é o primeiro para emissão de rádio digital fabricado no Brasil e será testado em caráter experimental e científico.

Fazem parte da iniciativa a Universidade de Brasília (UnB) e o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações. Será utilizado o sistema DRM (Digital Radio Mondiale), criado por emissoras como BBC, Voice of America, Radio France, a japonesa NHK e muitas outras em todos os continentes. Portanto, é um sistema mundial, e não europeu como muitos insistem em dizer. Europeu é o DAB.

A Rádio Nacional da Amazônia transmite de Brasília especialmente para a Região Norte do Brasil. O sinal também é captado em todas as regiões e em outros países, mas o foco, como o nome diz, é a Amazônia. Lá vivem cerca de 7 milhões de ribeirinhos e indígenas que hoje estão distantes de qualquer outro meio de comunicação. As distâncias são gigantescas e em muitos locais não há cobertura de celular ou internet. O preço da internet por satélite é estratosférico. A emissão da RNA é feita no antigo sistema de ondas curtas, que atinge longas distâncias, mas isso não é problema para quem tem na Nacional da Amazônia a sua principal, e em muitos casos, única fonte de informação.

A emissora transmite desde 1977 e tem raízes sólidas. Em 2017, raios danificaram a subestação de energia que alimenta seus transmissores, tirando-a do ar por alguns meses. As reclamações chegavam aos borbotões na sede da rádio. Caciques e líderes ribeirinhos redigiram um manifesto exigindo empenho para o seu retorno ao ar. Foram tomadas soluções provisórias, com o uso de geradores para emissões só em algumas horas por dia, até que, finalmente, em 2020, o sinal foi restabelecido.

A Nacional da Amazônia, as Nacional do Rio e de Brasília e as rádios MEC são administradas pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC), ligada ao governo federal. No mês passado, a EBC realizou licitação para a compra, entre outros, de dois transmissores de ondas curtas para a Amazônia, equipamentos esses que devem estar preparados para a entrada do Brasil na era do rádio digital. No caso das ondas curtas, o único sistema digital existente é o DRM.

Antes que esses transmissores sejam efetivamente comprados e entrem em operação, divulgamos em primeira mão, na semana passada, a construção do transmissor a ser testado em caráter experimental e científico, usando a antena e o áudio da Nacional da Amazônia. É preciso abrir parênteses para lembrar que a TV aberta brasileira iniciou seu processo de digitalização em 2007. Uma pergunta que deve ser feita é: por que o rádio ainda não foi digitalizado no Brasil?

O rádio digital em ondas curtas para a Amazônia seguramente vai garantir um novo patamar para as comunicações na Região Norte. A programação da Nacional é ao mesmo tempo popular e educativa. Leva informações de serviço muito importantes aos cidadãos, e não “somente” aos milhões de ribeirinhos, mas a toda a comunidade. Com a adoção do rádio digital, acabará um dos grandes problemas existentes hoje. A má qualidade de som que é observada em alguns momentos devido a condições atmosféricas que afetam a propagação dos sinais. O DRM transmite em onda curta com qualidade similar a uma emissora FM local.

Além disso, mais do que som, o novo sistema oferece a possibilidade de transmissão de imagens e texto. Ou seja, enquanto está escutando uma música, o ouvinte pode conferir as últimas manchetes, resultados do futebol, avisos de utilidade pública, previsão do tempo e qualquer outra informação que se deseje incluir. Também o DRM permite que em uma mesma frequência sejam oferecidas três ou quatro programações diferentes. Uma delas pode estar totalmente dedicada a aulas via rádio, movimento que ressurgiu em muitas emissoras Brasil afora durante a pandemia de coronavírus.

Outro aspecto relevante é a economia de energia que será obtida com a transmissão digital. Para alcançar a mesma área, é necessário menos da metade da potência exigida no sistema analógico, ou até bem menos que isso. Estudos ainda estão sendo feitos para verificar o percentual exato de economia.  

Além das ondas curtas, todas as faixas de frequência da radiodifusão são atendidas pelo DRM, inclusive emissoras de baixa potência, como as rádios comunitárias em FM.

O sistema DRM vem sendo testado e adotado em diversos países de todos os continentes. É uma opção importantíssima para a transmissão de informações sem necessidade de estar atrelado à infraestrutura de internet e sem custo para o receptor. Vai da antena do emissor direto para a antena do cidadão, de graça.

“Não coloque todos os ovos na mesma cesta.” O tradicional provérbio da economia se aplica a diversas outras áreas humanas. Uma delas é a comunicação. Os incríveis avanços que a internet trouxe nos últimos 25 anos em quase todas as atividades fazem muitos pensarem que ela é a solução para tudo. No entanto, por ser uma intrincada rede de conexões por cabos, satélites, antenas e gigantescas instalações de infraestrutura, ela apresenta alguns pontos de vulnerabilidade. Sem falar que sempre é um produto pago.

Seria inteligente abandonar um tipo de transmissão gratuito e praticamente universal? Não por apego ao passado, mas por ser uma alternativa necessária a garantir a transmissão de informações. É fundamental manter alternativas de comunicação de qualidade, evoluídas e confiáveis.

Trata-se, no momento, apenas de um teste específico para a Amazônia, região ainda grande usuária das gratuitas ondas curtas, onde o rádio comercial, a telefonia (paga) e a internet (paga) não chegam. DRM tem mais alternativas além do broadcasting. EAD é uma delas, pois, além do som, carrega imagens. É uma tecnologia promissora e que deve ser melhor considerada. Grande economia de energia é só um exemplo. Em crise sempre estivemos, a atual é a mais grave, claro, mas não é por isso que os avanços devem deixar de ser testados. Principalmente um que seja fora da internet.

Confira o vídeo com áudio do teste DRM em onda curta em https://youtu.be/Sw2oRgRaR6E

Reportagem e fotos de Lucio Haeser

É permitida a reprodução desde que citado o link http://www.radiolab.blog.br no lead da matéria replicada.

Publicado por Lucio Haeser

Interested in field recordings, electroacustic music and audio documentaries.

Um comentário em “Rádio brasileiro dá importante passo rumo ao digital na próxima segunda-feira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: